BRASIL

O GOVERNISMO AGORA É CENTRISMO

Quem acompanha o noticiário político já esbarrou com o discurso de que é preciso “unir o centro” na disputa presidencial. A conversa ganhou nova roupagem ontem, com o lançamento do manifesto “Por um polo democrático e reformista”, informa O Globo.

O documento foi articulado pelo deputado Marcus Pestana, secretário-geral do PSDB. Ele colheu assinaturas do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e dos ministros Aloysio Nunes e Raul Jungmann.

“Queremos estimular a reflexão e sensibilizar os pré-candidatos”, diz Pestana. “Se o nosso campo se fragmentar, podemos ficar fora do segundo turno. Aí a Presidência ficaria entre dois extremos, o bolsonarismo e a esquerda”, afirma.

O “nosso campo”, segundo o tucano, inclui sete presidenciáveis: Flávio Rocha, João Amoêdo, Rodrigo Maia, Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles, Alvaro Dias e Paulo Rabello de Castro. Ele também admite incluir a ex-petista Marina Silva.

“Todas as candidaturas são legítimas, mas não podemos esperar um segundo turno entre a catástrofe e o desastre. Se o apocalipse se anunciar, quem estiver em piores condições poderia renunciar até 15 dias antes da eleição”, defende Pestana.

Os alvos do manifesto têm algo em comum: todos apoiaram o impeachment que instalou Michel Temer no poder. Nos últimos meses, o bloco se dividiu. Um pedaço continuou agarrado ao governo. Outro saiu de fininho, tentando se descolar da impopularidade presidencial.

À exceção de Marina, todos os políticos do “polo reformista” se enquadram nas definições clássicas de direita ou centro-direita. O problema do grupo não está na nomenclatura. O que preocupa mesmo é a concorrência de Jair Bolsonaro, que cresceu e se consolidou no eleitorado antipetista.

Não é difícil encontrar o DNA do governismo no discurso a favor da “união do centro”. A quem tiver dúvidas, recomenda-se pesquisar declarações recentes do próprio Temer. “Se houver algo que seja útil para o país, e daí a história da união de todos os candidatos de centro, por que não apoiar?”, ele perguntou, em entrevista ao SBT.

O deputado Pestana, que ajudou a coordenar a campanha de Aécio Neves em 2014, nega que o manifesto tenha o carimbo do Planalto. “Nossa tese tem os olhos postos no futuro”, desconversa.

Anúncios

OBRIGADO POR CURTIR E PARTICIPAR DO NOSSO BLOG.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s