JUSTIÇA

BRASIL APURA ASSÉDIO SEXUAL NA FAO

Por determinação do chanceler Aloysio Nunes, o Ministério das Relações Exteriores instaurou um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) contra o embaixador João Carlos Souza Gomes, chefe da Delegação Permanente do Brasil na FAO, organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, com sede em Roma. Ele é acusado de assédio sexual contra diplomatas subordinadas, e um dos casos teria sido documentado por gravação, segundo fonte do governo.

EMBAIXADOR JOÃO CARLOS SOUZA GOMES

A identidade do acusado foi confirmada por alta fonte do Itamaraty. A denúncia é considerada tão “robusta” que o embaixador João Carlos Souza Gomes está afastado de suas funções: foi chamado ao Brasil “a serviço”. Encontra-se no Rio de Janeiro.

A denúncia contra o diplomata foi detalhada em relatório enviado pelas vítimas ao Ministério das Relações Exteriores, levando o corregedor Márcio Araújo Lage a constituir uma comissão para investigar o caso no último dia 26. João Carlos Souza Gomes foi designado ao cargo pelo presidente Michel Temer há um ano, em outubro de 2016, e a denúncia ocorre a poucos dias de o acusado completar 69 anos, no próximo dia 16.

A missão brasileira da FAO é composta pelo chefe, agora afastado, o vice-representante, ministro conselheiro Antonio Otávio Sá Ricarte, e por quatro jovens segundo-secretárias da carreira diplomática: Roberta Lima Ferreira, Gianina Lima Pozzebon, Larissa Maria Lima Costa e Fernanda Mansur Tansini. Também compõem a delegação o conselheiro Saulo Arantes Ceolin, a jovem oficial de chancelaria Maria Helena L. Zeredo e seu colega Sergio P. Abramovici. Há ainda sete funcionários administrativos, incluindo três secretárias.

Diplomatas relatam outros casos de suposto assédio envolvendo o mesmo diplomata, inclusive quando ele foi embaixador do Brasil em Montevidéu, mas não há provas, tampouco condenação após o devido processo administrativo disciplinar.

EMBAIXADOR AMÉRICO DYOTT FONTENELLE

O Ministério das Relações Exteriores costuma ser leniente em casos de assédio. O embaixador Américo Dyott Fontenelle, por exemplo, respondeu a PADs por assédio quando chefiou o consulado do Brasil em Toronto, no Canadá, e ao repetir o comportamento ocupando o mesmo posto em Sidney, Austrália. Após uma punição considerada amena, ele já foi designado pelo presidente Michel Temer para um novo posto: cônsul-geral em Ciudad Del este, Paraguai.

Anúncios

Categorias:JUSTIÇA

Marcado como:, ,

OBRIGADO POR CURTIR E PARTICIPAR DO NOSSO BLOG.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s