MEIO AMBIENTE

PRECISAMOS LEMBRAR AOS BRASILEIROS, QUE CIDADES SÃO SOLUÇÕES

“As cidades são a melhor invenção da humanidade”, afirma Edward Glaeser, professor de economia em Harvard. Os agrupamentos urbanos constituem uma das formas mais eficientes de distribuição de riqueza, e não é por acaso que concentram hoje a maior parte da população mundial.

A importância das cidades para o desenvolvimento econômico e social não exclui a existência de problemas. Exatamente por concentrarem grandes populações, as cidades enfrentam dificuldades e são palco de conflitos. No Brasil, elas apresentam ainda questões primárias, herdadas do apressado processo de urbanização do século XX, como a falta de saneamento, que convivem com as conquistas do século XXI, o acesso amplo à tecnologia e às redes de informação. 

Ainda que as cidades tenham esses dois lados, o positivo e o negativo, elas nem sempre são percebidas assim. Na imprensa, nas redes sociais, no senso comum, as cidades são associadas a trânsito, violência e poluição, a uma qualidade de vida ruim. De fato, como explica Glaeser, esses três problemas são consequências automáticas da aglomeração humana que caracteriza as cidades e só podem ser superados com bom planejamento, boa gestão e comportamento ético dos indivíduos em relação ao coletivo.

O desafio, então, é melhorar o planejamento e a gestão das cidades. Para isso, não basta uma boa administração pública: o envolvimento das empresas e da sociedade civil é essencial. É necessário um ambiente de colaboração e cidadania para que as cidades sejam espaços que atendam adequadamente às demandas da sociedade brasileira atual – extremamente diversa em suas necessidades e interesses.

A mídia também tem um papel importante: tem o poder de influenciar muito na formação da agenda pública, ou seja, naquilo que é discutido e no que não é, naquilo que é percebido como problema e no que não é. Se um fato é noticiado e outro não, e se o fato é noticiado de forma positiva ou negativa, isso é decisivo no processo de produzir uma percepção da realidade para o cidadão comum. A percepção da realidade substitui a realidade em si. A realidade não é inteligível, ao contrário do mundo interpretado pelos meios de comunicação, que já vem decodificado por ordem de relevância e agrupamento temático – manchete da primeira página, nota do Caderno de Cultura, coluna na seção de Cidades.

Há diversos atores sociais produzindo mudanças positivas – na iniciativa privada, no setor público e na sociedade civil. É preciso valorizar as boas iniciativas, destacá-las. Só se fala dos problemas. Precisamos lembrar os brasileiros de que cidades são solução, uma das formas mais simples de distribuição de riqueza e democratização no acesso a oportunidades. Também é necessário incentivar a participação, o comportamento do cidadão. Com a complexidade que a nossa sociedade alcançou, o modelo de governança para as cidades precisa contar com a participação dos diversos setores sociais.

* Marisa Moreira Salles e Tomas Alvim são fundadores do Arq.Futuro

O Arq.Futuro promove o seminário Cidades: percepção e comunicação, no dia 4 de outubro, das 10 às 13 horas, no Instituto Moreira Salles. O evento tem lugares limitados.

Anúncios

Categorias:MEIO AMBIENTE

Marcado como:, ,

OBRIGADO POR CURTIR E PARTICIPAR DO NOSSO BLOG.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s