LAVA JATO

“AÍ VIROU CPI PARA CÁ, ACHAQUE PARA LÁ”

Joesley Batista explicou à Época que precisava do grupo de Eduardo Cunha, Lúcio Funaro e Michel Temer porque “eles foram crescendo no FI-FGTS, na Caixa, na Agricultura – todos os orgãos onde tínhamos interesses”.

“Eu morria de medo de eles encamparem o Ministério da Agricultura. Eu sabia que o achaque ia ser grande. Eles tentaram. Graças a Deus mudou o governo e eles saíram.”

Para Joesley, o momento “mais relevante foi quando Eduardo tomou a Câmara”.

“Aí virou CPI para cá, achaque para lá. Tinha de tudo. Eduardo sempre deixava claro que o fortalecimento dele era o fortalecimento do grupo da Câmara e do próprio Michel. Aquele grupo tem o estilo de entrar na sua vida sem ser convidado.”

Joesley Batista deu um exemplo, em sua entrevista à Época, de como Eduardo Cunha usava a instalação de eventual CPI da JBS para achacá-lo.

“O Eduardo, quando já era presidente da Câmara, um dia me disse assim: ‘Joesley, tão querendo abrir uma CPI contra a JBS para investigar BNDES. É o seguinte: você me dá R$ 5 milhões que eu acabo com a CPI’. Falei: ‘Eduardo, pode abrir, não tem problema’. ‘Como não tem problema? Investigar o BNDES, vocês’. Falei: ‘Não, não tem problema’. ‘Você tá louco?'”

Joesley manteve sua posição.

“Depois de tanto insistir, ele [Cunha] virou bem sério: ‘É sério que não tem problema?’ Eu: ‘É sério’. Ele: ‘Não vai te prejudicar em nada?’ ‘Não, Eduardo.’ Ele imediatamente falou assim: ‘Seu concorrente me paga R$ 5 milhões para abrir essa CPI. Se não vai te prejudicar, se não tem problema… Eu acho que eles me dão os R$ 5 milhões.’ ‘Uai, Eduardo, vai sua consciência. Faz o que você achar melhor.’ Esse é o Eduardo. Não paguei e não abriu. Não sei se ele foi atrás. Esse é o exemplo mais bem acabado da lógica dessa Orcrim.”

Joesley Batista disse à Época que Lúcio Funaro “fazia a mesma coisa” que Eduardo Cunha: exigia dinheiro para impedir o avanço de investigações sobre a JBS em Comissão Parlamentar de Inquérito.

Funaro “virava para mim e dizia: ‘Tem um requerimento numa CPI para te convocar. Me dá R$ 1 milhão que eu barro’. Mas a gente ia ver e descobria que era algum deputado a mando dele que estava fazendo. É uma coisa de louco.

Joesley disse que não pagou.

“Tinha alguns limites. Tinha que tomar cuidado.”

Foi neste momento da entrevista que ele soltou a frase que ganhou destaque na imprensa:

“Essa é a maior e mais perigosa organização criminosa desse país. Liderada pelo presidente.”

Anúncios

OBRIGADO POR CURTIR E PARTICIPAR DO NOSSO BLOG.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s